Resumo:

Este artigo apresenta uma pesquisa inédita, aplicada a 52 mediadores judiciais no Estado do Rio Grande do Sul, por meio de um questionário online. A pesquisa objetiva apresentar dados que colaborem na compreensão do perfil e das percepções daqueles que constroem, no cotidiano, a Política Judiciária de Tratamento Adequado dos Conflitos de Interesse no Judiciário gaúcho. Da mesma forma, identificar elementos que possibilitem compreender suas condições de trabalho no sistema de justiça, à partir da suas percepções. Entre os resultados, destacam-se a predominância de mulheres, profissionais da área do direito com alta escolarização, bem como a percepção de falta de reconhecimento e valorização da mediação e da força de trabalho do mediador por parte dos magistrados e da Administração do Tribunal gaúcho. Nesse sentido, o levantamento também busca contribuir para a avaliação e melhoria da Política Judiciária, para as condições de trabalho dos mediadores judiciais, e, consequentemente, do serviço público de mediação utilizado pela população em geral e pelos profissionais advogados(as) que, compreende-se, acaba por influenciar diretamente a procura pela autocomposição extrajudicial.

Leia o texto completo no link abaixo: Perfil e percepções do mediador judicial no Estado do Rio Grande do Sul-Aline Leão

 

 

Previous Next

No dia 29 de Maio de 2019 (quarta-feira), o núcleo de Mediação e Maternidade, se reuniu para mais uma palestra, cujo tema era: A Figura Materna na Relação Familiar.

O evento ocorreu no Miniauditório da Escola AJURIS, tendo como palestrante a Professora Cláudia Rohden, que além de Professora da graduação e Pós Graduação da Universidade Lasalle e Instituição São Judas Tadeu, dos cursos preparatórios para concursos no Verbo Jurídico, é também Mestra em Filosofia e Ética Social e Doutoranda em Direito pela UNISINOS, Advogada, mediadora, instrutora e oficineira.

 

Página 1 de 9