Aprofundamento na Prática de Círculos de Construção de Paz para Lideranças Multiplicadoras

Aprofundamento na Prática de Círculos de Construção de Paz para Lideranças Multiplicadoras

Em Estoque

Li e concordo com os Termos deste curso
Data do Curso: 9/11, 11/11, 16/11, 18/11, 23/11, 25/11, 30/11 e 2/12 Horário das aulas Telepresenciais: Das 19h às 20h

Pré requisito:

Ter concluído as formações básica e avançada ofertadas pelo Programa Escola Mais Paz


Realização

Escola Superior da Magistratura – ESM, através do Núcleo de Formação em Justiça Restaurativa.


Justificativa:

A Justiça Restaurativa apresenta-se como um modo de resolução de conflitos e de gestão das convivências em que se valoriza a autonomia e o diálogo pela criação de oportunidades para que as pessoas direta e indiretamente envolvidas possam compreender as causas das suas diferenças, reparar os danos e restabelecer a paz, a harmonia e o equilíbrio nos relacionamentos. O principal objetivo das práticas consiste em conectar as pessoas para além dos seus rótulos, pelo desenvolvimento de ações construídas com a participação e em benefício de todos. A abordagem tem como ponto de partida as necessidades causadoras e derivadas do conflito e das dificuldades de convivência. A metodologia de abordagem tende a aproximar e a responsabilizar a todos os participantes cuja conclusão se expressa na elaboração de um plano de ações destinado a restaurar os laços rompidos, reparar ou compensar os danos e gerar compromissos para o futuro.

A formação complementar de facilitadores para o exercício de metodologia reconhecidamente habilitada para emprestar efeitos práticos para os valores e princípios restaurativos, como os círculos de construção de paz, está em perfeita sintonia com as atuais tendências de incentivo à utilização de métodos autocompositivos para o desenvolvimento da convivência humana fundamentada na cultura da paz, na não-violência e na educação em valores. Os conteúdos teóricos e metodológicos inspirados na Justiça Restaurativa, que são a base da formação proposta, representam a abertura de mais um caminho para contribuir resolutivamente para a solução dos conflitos e para a qualificação da vida em qualquer espaço da convivência humana. Por isso, a formação complementar aqui proposta faz sentido não só para os membros e servidores do Poder Judiciário e das demais instituições do Sistema de Justiça, mas também para todos os demais atores sociais diretamente envolvidos em ambientes em que a resolução pacífica dos conflitos e a qualificação das convivências na perspectiva preventiva ou de diminuição de danos adquirem importância social e ética. Assim, para que as práticas restaurativas possam ser adotadas nos referidos espaços, é indispensável a formação das pessoas diretamente envolvidos com a aplicação dos métodos, como os facilitadores que utilizam, como estratégia de abordagem, os círculos de construção de paz, que, aqui, encontram oportunidade para a complementação e o aperfeiçoamento das suas formações. Tal perspectiva justifica a iniciativa de oferecer, de forma complementar às formações já oferecidas pela Escola da Magistratura, a presente oportunidade de formação complementar, dirigida, portanto, especificamente a facilitadores já com experiência na utilização dos círculos de construção de paz


Ementa

Fluxo dos procedimentos do círculo de construção de paz. Pressupostos básicos, tipos de círculos de construção de paz e distinção entre aplicações menos e mais complexas. Etapas do círculo, com ênfase na contação de histórias, no relatório do procedimento restaurativo e nos termos de acordo. O facilitador, os princípios que orientam a sua atuação e suas habilidades e competências. Supervisão prática com base na narrativa dos círculos realizados pelos participantes.


Público-Alvo

Facilitadores de círculos de construção de paz formados pelo Programa Escola Mais Paz


Natureza da Formação 

Curso livre, de extensão das oportunidades de formação em Justiça Restaurativa, com enfoque  prático desenvolvido em ambiente virtual e destinado à formação complementar em Justiça Restaurativa e em círculos de construção de paz.


Objetivo Geral 

Contribuir com o desenvolvimento da Justiça Restaurativa e da sua aplicação prática pelo aprofundamento das habilidades e competências de facilitadores de círculos de construção de paz.


Objetivos Específicos

Ao final do curso, espera-se que os facilitadores de círculos de construção de paz sejam capazes de:

a)    Confirmar de que a subjetivação dos pressupostos básicos dos círculos de construção de paz são os pilares indispensáveis para o desenvolvimento das práticas restaurativas;
b)    Aumentar a competência de identificar a relação entre os contextos e a escolha do tipo de círculo mais adequado para qualificar e pacificar a convivência nos mais diversos ambientes sociais;
c)    Ratificar a importância de cada etapa dos círculos de construção de paz, com destaque para a contação de histórias, o relatório do procedimento e o acordo restaurativo;
d)    Aprofundar o reconhecimento do papel do facilitar como sujeito indispensável para o sucesso das práticas restaurativas baseadas nos círculos de construção de paz;
e)    Compreender a importância de submeter a prática dos círculos de construção de paz à permanente supervisão de profissionais com reconhecida experiência na formação de facilitadores de círculos de construção de paz;
f)     Adquirir a competência para passar a exercer a supervisão da prática de outros facilitadores dos círculos de construção de paz. 


Coordenação
:

Leoberto Narciso Brancher

Afonso Armando Konzen


Docente:

Rafaela Duso

          

Número de vagas:

O Curso oferecerá o total de 50 vagas.


Estratégias Pedagógicas:

O Curso será oferecido inteiramente no formato de Educação à Distância pela plataforma Zoom acoplada ao Moodle, sendo os temas desenvolvidos em aulas e em encontros online previamente agendados, assim como através de leituras e de diálogos orientados a partir da documentação de casos concretos, além da supervisão técnica com base nas experiências dos próprios participantes.


Estrutura

O Curso terá a carga-horária de quarenta (40) horas-aula, distribuídas em oito (8) unidades de estudo, cada unidade correspondente a cinco (05) horas-aula. Serão duas unidades por semana, totalizando, ao final do Curso, quatro (4) semanas de estudo.


Avaliação:

A avaliação será de forma continuada, levando em conta a realização das atividades de cada uma das 8 Unidades, como a presença nas aulas telepresenciais, a participação nos fóruns e a entrega dos trabalhos individuais eventualmente previstosCada Unidade valerá 10 pontos e a nota máxima será de 80 pontos. Para obtenção do certificado será necessário obter no mínimo 65 pontos, que correspondem a 75% do grau máximo de aproveitamento. Para fins de certificação, as atividades terão a seguinte valoração: presença na aula telepresencial: 3 (três) pontos; participação no Fórum: 4 (quatro) pontos; entrega da atividade individual: 3 (três) pontos.


Data do Curso: 
9/11, 11/11, 16/11, 18/11, 23/11, 25/11, 30/11 e 2/12 


Horário das aulas Telepresenciais: 
Das 19h às 20h  

     
Referências Bibliográficas:

AMSTUTZ, Lorraine Stutzman; MULLET, Judy H. Disciplina restaurativa nas escolas: responsabilidade e ambientes de cuidado mútuo. Tradução: Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2012. 

ARLÉDanielle de Guimarães Germano. A Justiça Restaurativa e o Ministério Público Brasileiro. São Paulo: D’Plácido, 2020.

BOHM, David. Diálogo: comunicação e redes de convivência. Tradução: Humberto Mariotti. São Paulo: Palas Athena, 2005.

BOYES-Watson, Carolyn; PRANIS, Kay: Círculos em Movimento: construindo uma comunidade escolar restaurativa. Porto Alegre: AJURIS e Terre des hommes. 2015.

BOYES-Watson, Carolyn, PRANIS, Kay: No Coração da Esperança: Guia de Práticas Círculares. Porto Alegre: Tribunal de Justiça do RS, 2011.

EVANS, Katherine e VAANDERING, Dorothy. Justiça Restaurativa na Educação: promover responsabilidade, cura e esperança nas escolas. Tradução de Tônia Van Ecker. São Paulo: Palas Athena, 2018.

FAUNE, Jean-Philippe. Educar sem Punições nem Recompensas. Tradução de Stephania Matousek. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

GALTUNG, Johan. Transcender e transformar: uma introdução ao trabalho de conflitos. Tradução de Antonio Carlos da Silva Rosa. São Paulo: Palas Athena, 2006.

HOOKER, David Anderson. Transformar Comunidades: uma abordagem prática e positiva ao diálogo. Tradução de Luis Fernando Bravo de Barros. São Paulo: Palas Athena, 2019.

JARES, Xesús R. Educar para a paz em tempos difíceis. Tradução de Elizabete de Moraes Santana. São Paulo: Palas Athena, 2007.

LEDERACH, John Paul. Transformação de Conflitos. Tradução: Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2012.

MULLER, Jean-Marie. Não Violência na Educação. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2006.

MULLER, Jean-Marie. O Princípio da Não-Violência. Tradução de Inês Polegato. São Paulo: Palas Athena, 2007.

PRANIS, Kay. Processos Circulares: teoria e prática. Tradução: Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2010.

PRANIS, KAY. Círculos de justiça restaurativa e de construção da paz: guia do facilitador. Porto Alegre: Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. 2011.

ROSENBERG, Marshall. A linguagem da paz em um mundo de conflitos. Tradução de Grace Patrícia Close Deckers. São Paulo: Palas Athena, 2019. 

ROSENBERG, Marshall. Comunicação Não-Violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Agora, 2006.

SCHIRCH, Lisa; CAMPT, David. Diálogo para Assuntos Difíceis. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2018,

SCHIRCH, Lisa. Construção Estratégica de Paz. Tradução de Denise Kato. São Paulo: Palas Athena, 2019.

YODER, Carolyn. A Cura do Trauma: quando a violência ataca e a segurança comunitária é ameaçada. Tradução de Luís Fernando Bravo de Barros. São Paulo: Palas Athena, 2018.

ZEHR, Howard. Trocando as Lentes. Tradução de Tônia Van Ecker. São Paulo: Palas Athena, 2008.


Li e concordo com os Termos deste curso